Sua empresa vai precisar de ajuda, é melhor procurar quem possa

Há algum tempo acompanho que a cada dia é mais rara a notícia de que um funcionário de uma grande empresa fez alguma revolução na maneira de gerir, em uma linha de produtos ou mesmo na performance da empresa. Este fenômeno que eu tenho acompanhado nos últimos 10 anos tem se evidenciado e foi comprovado em uma pesquisa realizada pelo Grupo Empreenda, e externada em reportagem da Folha de São Paulo com o Sr Cézar Souza, que é o presidente da consultoria Empreenda.

O resultado da pesquisa vem de encontro a minha percepção de que profissionais de alto nível, com performance superior e idéias inovadoras tem seguido, em sua maioria, o caminho independente, onde possa desenvolver todo o seu potencial profissional, deixando para as empresas profissionais com uma visão diferente de futuro ou com ambições diferentes dos profissionais de maior performance, o que pode causar um apagão de liderança e fazer com que oportunidades sejam perdidas, ou que outros talentos deixem as empresas por insatisfação.

Tenho total certeza que isto é um fenômeno interessante, atraente e oportuno para que a sociedade corporativa como um todo tenha evolução. Lembro um caso de uma empresa que investiu algumas centenas de milhares de dólares na implementação de uma tecnologia fornecida por uma empresa líder no mercado de TI, mas assim que eu cheguei a empresa, em menos de 5 minutos de conversa, vislumbrei que a opção tomada dois meses antes, era funcional, mas de alto investimento inicial, com custo operacional enorme e deixava a empresa sem opções de diversificação de tecnologias. Soube no decorrer do estudo que a tomada da decisão foi realizada por um jovem gestor que optou pelo líder em tecnologia, sem ter uma visão global do crescimento e variáveis do negócio. Em um caso destes é que entram as oportunidades para aqueles profissionais que empreenderam e hoje provém consultoria, pois eles trazem além do talento, a qualidade de conhecer variados mercados, situações distintas, riscos vividos, o não comprometimento com o legado egocêntrico e sim com o resultado, a capacidade de criar um cenário de longo prazo e o conhecimento específico.

Se hoje a sua empresa tem bons profissionais em todos os níveis, tenha em mente que o sinal de alerta está acesso quanto a perda de alguns destes, e que para os melhores momentos, uma ajuda pode ser providencial. Se a sua empresa já carece de lideranças, a ajuda já é necessária, portanto recomendo que invista em treinamento, incentive o relacionamento e principalmente consulte os especialistas experientes para a tomada de decisão, desenho de estratégias e implementação de soluções pontuais, e atue de forma tática na sua empresa até que seus líderes estejam realmente aptos a tomar as decisões de forma independente ou até que o ciclo de capacitação se inicie novamente.

O curioso é que há décadas se prega a retenção de talentos, com políticas e recompensas atraentes aos melhores profissionais, mas o fenômeno de hoje não pode ser circundado com estas regras, pois como convencer, um jovem e promissor executivo, a ter uma vida dedicada a uma empresa que não é, e nunca será dele? Frente a possibilidade de deixar uma marca no mercado e até no mundo com a aplicação de seus desejos e técnicas em uma empresa própria?

O mercado está aberto, as oportunidades existem, e para os consultores experientes e capacitados, a dinâmica dos negócios de curto ou médio prazo são atraentes demais se comparadas com as amarras de um cargo executivo em uma grande corporação.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *